Armas da Segunda Guerra Mundial: Conheça os maiores exemplares

E aí, aventureiros! Tudo beleza? Se você acordou inspirado nas aulas de história, o post de hoje foi feito pra você! Quer conhecer as armas que foram utilizadas na Segunda Guerra Mundial? Confira o guia completo do Blog da Venture com os principais tipos e modelos!

 

 

Que a Segunda Guerra Mundial ocasionou um dos maiores desastres econômicos e sociais em todo mundo não é novidade pra ninguém. Atualmente, a catástrofe que ocorreu no século XX, (mais especificamente durante os anos de 1939 a 1945), é exemplo de posturas e erros que jamais devem ser repetidos ao longo de nossa história.

 

 

Durante a guerra, alguns países foram divididos em dois grupos principais. De um lado, Estados Unidos, França, Inglaterra e União Soviética formavam os Aliados, enquanto Alemanha, Itália e Japão compunham o grupo conhecido como Eixo.

 

 

Durante esses anos assombrosos, o aumento da tecnologia e da produção de armas com alto poder de destruição em massa foi praticamente “obrigatório”. Países como Alemanha, Estados Unidos, Rússia e Japão são alguns dos grandes nomes de nações responsáveis pelo aumento exponencial na fabricação de armas da grande Segunda Guerra, e a gente separou um top 06 com as maiores delas! Vem com a gente.

 

6 – Fritz X

 

Desenvolvida pelo cientista alemão Max Kramer, a Fritz X é considerada a primeira bomba inteligente da história, responsável por grandes estragos por onde passou. A tecnologia presente no material permitia que a mesma fosse controlada mesmo após ser lançada. Através de seu sistema de controle via ondas de rádio, correções podiam ser realizadas durante o percurso da bomba. O ataque mais notável da Fritz X ocorreu em setembro de 1943, contra o navio italiano Roma, mas caiu em desuso quando os Aliados passaram a utilizar bloqueadores de ondas sonoras.

 

 

 

5 – Schwerer Gustav

 

Também conhecida apenas como “Gustav”, essa unidade móvel poderosa de artilharia foi um tipo de trem com um enorme canhão acoplado em sua estrutura, seguido por um caminhão com generosos 32 metros de comprimento. Foi desenvolvido pelas forças alemãs da Krupp, a fim de destruir e derrubar alvos de grande porte. Pesava cerca de 1344 toneladas e era capaz de disparar projéteis de até sete toneladas. 

Devido às suas dimensões, era muito difícil locomover-se e poucos modelos foram fabricados (ainda bem!), e se você quer saber como seus alvos de ataque ficaram… Infelizmente, nenhum foi capaz de sobreviver a esse “pequenininho” pra contar história.

 

 

4 – M1 Garand

 

Grande inspiração para armas como o Fuzil AR-14 e a famosa AK-47, o M1 Garand é considerado o primeiro modelo de fuzil semi-automático. À época, aproximadamente 5 milhões de exemplares foram fabricados, e ainda hoje é muito pautado por amantes de armas espalhados por todo o mundo. Desenvolvido pelas forças norte-americanas, tinha pouco mais de 4kg e podia atingir cerca de 600 metros de distância, com um pente capaz de carregar até oito munições.

Entre os anos de 1952 a 1957, a M1 teve um aumento exponencial em sua produção, atingindo a marca de 1.500.000 inventários lançados. Desenvolvida pelo canadense John Cantius Garand, a M1 tornou-se obsoleta com o passar dos anos, mas pesquisas ainda apontam o modelo como um dos fuzis mais importantes e eficazes da história!

 

 

3 – MG 42

A MG 42 é uma metralhadora de grande porte, e utiliza munição de 7.62 x 51mm. Pesando aproximadamente 11 kg descarregada e com poder de precisão de até 1.000 metros, a arma foi muito utilizada durante a Segunda Guerra, cobiçada até mesmo por soldados brasileiros. 

Desenvolvida pela Alemanha, foi utilizada pela primeira vez na União Soviética e no norte da África, tornando-se um sucesso entre os soldados europeus. Ainda hoje é referência e primeira opção de muitos exércitos ao redor do mundo.

 

 

 

 

2 – MPP 44 Sturmgewher (STG44)

 

Com confrontos ocorrendo em distâncias cada vez menores, foi necessária a criação de uma arma que possuísse disparos automáticos. Pensando nisso, fabricantes alemães desenvolveram o poderosíssimo STG44, o “pai do fuzil de assaltos”, que se tornou inspiração a modelos posteriores de fuzis, como o belga FN FAL. Com uma rajada precisa, foi, à época, considerado um equipamento moderno e inovador, visto que tinha a capacidade de disparar de 550 a 600 tiros por minuto, ação esta que poupava o desperdício de munição.

Atualmente, um dos primeiros inventários da MPP 44 Sturmgewher permanece armazenado para amostra no Museu Nacional de Praga, capital da República Tcheca.

 

 

 

1 – M1 Thompson

Em 1919, logo após a Primeira Guerra Mundial, o general John T. Thompson do exército norte-americano foi responsável pela criação de um dos primeiros protótipos de submetralhadora. Também conhecida como Tommy Gun ou Chicago Typewriter, a versão da M1 Thompson utilizada na Segunda Guerra possuía um carregador menor, que admitia uma quantidade reduzida de cartuchos. Com uma estrutura leve e compacta, foi a primeira opção de muitos soldados norte-americanos, além de franceses e britânicos.

Fabricada pela Auto-Ordnance Corporation, era uma arma refinada, apresentando empunhaduras e coronha de madeira, além de um acabamento inovador. As versões da Thompson utilizadas na Segunda Guerra portavam um carregador reto convencional reduzido a 20 cartuchos, e essa forma mais “enxuta” do equipamento ocorreu para que houvesse um aumento exponencial em sua fabricação, que teria uma entrega relativamente mais rápida aos soldados. Cerca de 1.700.000 modelos da M1 Thompson foram fabricados, com um peso total de 4,8Kg.

 

 

 

Apesar de ter revolucionado a forma como equipamentos de segurança e de ataque são fabricados, as armas utilizadas durante a Segunda Guerra Mundial foram um dos meios utilizados para a destruição em massa de mais de 40 milhões de civis e 20 milhões de soldados ao longo de seis anos.

 

Armas de fogo são equipamentos essenciais para ataque ou defesa apenas daqueles que possuam o porte formal e legalizado, como policiais militares, civis e federais. No Brasil, a Lei Nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003 discorre a respeito do registro, posse e comercialização de armas de fogo e munição.

 

No entanto, amantes desses equipamentos podem portar as de pressão (Post – Armas de pressão: posso ter a minha?), muito utilizadas em airsoft e tiro ao alvo, ou apenas para coleção. São muito escolhidas por possuírem um visual idêntico aos das armas originais de fogo. Se você é fã de armas e atividades táticas, não deixe de conferir também o Post – Gosta de armas? Saiba mais e conheça suas réplicas Airsoft.

 

 

Você sabia? No dia 8 de maio é comemorado ao redor de todo o mundo o fim da Segunda Guerra Mundial, também conhecido como “Dia da Vitória”.

 

 

Esperamos que tenha gostado! Qualquer dúvida, crítica ou sugestão, deixe pra gente aqui nos comentários!

 

 

Até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *